DESIGN GRÁFICA

DESIGN GRÁFICA

domingo, 11 de agosto de 2013

O SEGREDO DAS PIRÂMIDES

DINHEIRO 

Matemáticos mostra como funciona a progressão geométrica e crava que 70% dos investidores perdem dinheiro nesse tipo de sistema. Em 1998, a Comissão do Comercio dos EUA lançou documento sobre a proliferação do esquema.

 O jornal do comercio deste domingo, 11/08/13 no caderno economia, publica matéria sobre as Pirâmides e prova inconsistência entre o retorno de 60% prometido a investidores e o crescimento geométrico do esquema


Na semana que passou, a imagem de uma jovem vestida de palhacinho segurando um cartaz durante o protesto de divulgadores da Priples contra a prisão dos donos da empresa chamou a atenção não apenas pelo erro de português, mas também pela mensagem. A peça escrita à mão dizia: "falar que é pirâmide é fácil, difícil (sic) é provar". Pode ser difícil reconhecer o esquema imediatamente, pois ele se aproveita justamente de informações confusas. Mas não é difícil provar que há algo errado num sistema que promete retorno de 60% em um mês sobre o capital investido, desde que o interessado atraia outros. A matemática ajuda nessa conta e mostra que 70% das pessoas, pelo menos, que entram em pirâmides vai com certeza
perder dinheiro (veja arte).

"Trata-se de uma progressão geométrica", explica o professor de finanças da Faculdade Boa Viagem Roberto Ferreira. Ele diz que esse sistema se alimenta da entrada de novas pessoas e, a cada novo grupo entrante, esse número se multiplica ainda mais. "No passado, esse tipo de corrente orientava a pessoa a recrutar outras por cartas. Esse processo gera uma conta vasta e que vai incluir milhões de pessoas rapidamente. Hoje, com a internet, a velocidade de multiplicação é muito maior," .

Um relatório produzido em 1998 pela Comissão Federal do Comércio (FTC) dos Estados Unidos, organismo do governo norte-americano de proteção ao livre mercado, resume o esquema de pirâmide como um golpe. "Por natureza, o esquema de pirâmide nunca poderá cumprir com suas obrigações diante da maioria dos participantes. Para sobreviver, pirâmide precisam manter e atrair quantos membros for possível", diz o relatório. Quando quebra, quem fica com a maior parte do dinheiro é o criador do esquema e uma menor parte fica para os divulgadores que entraram antes.

A proliferação recente de esquemas piramidais foi turbinada pela internet e pela facilidade de encontrar pessoas interessadas em ganhar dinheiro rapidamente. O esquema é antigo, há relatos do século 19, mas ficou conhecido internacionalmente como Pirâmide de Ponzi, um italiano que fez fama e fortuna nos anos 1920 nos Estados Unidos. Assim como acontece hoje em Pernambuco e no Brasil, seu esquema de ganhos rápidos e vultosos causou histeria, com pessoas vendendo o que tinham para entrar na jogada. Mesmo depois da empresa sofrer intervenção do governo, muitos investidores reclamaram e apoiavam Ponzi, defendendo-o ferozmente.


exemplo ilustra o que é conhecido como uma matriz 3 por 4. Cada investidor paga R$ 500 ao promotor para entrar no esquema é dito a ele que recrute três novos membros, que também terão de achar mais trés membros e assim por diante. ֹ dito ao investidor que ele receberá R$ 150 por cada um dos trés que convencer diretamente a entrar na pirâmide, o primeiro nível. Ele também receberá R$ 30 de comissão por novo recruta dos níveis subsequentes

Dessa forma, o investidor é convencido de que ele estará no topo da matriz 3 x 4. Nessa perspectiva, parece um bom negócio, pois ele investiu R$ 500 e vai receber em troca R$ 3.960, um retomo de 792%. A conta é fácil: R$ 150 do primeiro nível de três recrutas dá R$ 450 CR$ 150 x 3), R$ 30 do próximo nível de recrutas é R$ 270 CR$ 30 x 9), mais R$ 810 CR$ 30 x 27) e outros R$ 2.430 CR$ 30 x 81)

Considerando a matriz pelo ponto de vista do promotor, ele parece ser a pessoa do topo da pirâmide, mas na verdade se beneficia do esquema a partir de baixo. A cada novo investidor, ele tem um jogo de ganho e despesas, mas com os lucros fluindo diretamente para ele. O promotor recebe R$ 500 por novo membro e, no máximo, terá de pagar R$ 240 em comissões para os primeiros investidores que estão convencendo outros. Então quando um investidor entra no esquema no último nível, o promotor receberá R$ 500, mas ele vai pagar apenas R$ 150 à pessoa que recrutou o novo investidor e R$ 30 para os membros mais distantes dele, chegando ao total de R$ 240. Portanto, o promotor vai ficar com a maior parte de cada R$ 500 que entra

Vamos assumir que o esquema entra em colapso depois de completado o quarto nível. O promotor terá embolsado R$ 500 do primeiro investidor (sem ter pago comissão), R$ 350 de cada um dos três do nível seguinte CR$ 500 menos comissão de R$ 150), R$ 320 de cada um dos 9 investidores do próximo nível CR$ 500 menos comissões de R$ 150+R$ 30), R$ 290 de cada um dos 27 participantes do próximo nível (R$ 500 menos R$ 150 R$ 30 R$ 30) e R$ 260 dos 81 últimos investidores CR$ 500 menos comissões de R$ 150 + R$ 30 + R$ 30 R$ 30). Na matemática simples, ele terá embolsado R$ 33.320 e tudo o que ele fez foi atrair um investidor

Sob a perspectiva dos divulgadores: assim como o primeiro investidor, o divulgador acha que sempre está no topo de sua própria pirâmide, mas de repente ele se dá conta de que está no fundo, incapaz de encontrar novas pessoas para ficar abaixo dela. Mas ele não está sozinho. A matemática mostra que a maioria dos investidores vai estar no fundo da pirâmide quando ela quebrar

A verdadeira estrutura dessa matriz determina que onde quer que ela quebre, pelo menos 70% das pessoas estarדno nível mais baixo, sem condições de tirar um lucro. Neste exemplo, nem mesmo as pessoas que estão acima do último nível conseguirão recuperar o seu investimento. Esses pagaram R$ 500 e receberam R$ 150 por cada três recrutas que captou, ficando a R$ 50 de recuperar o total investido. Nesse exemplo, os dois níveis de baixo concentram 89% de todos os participantes (108 de 121 investidores) 

ALERTA
O relatório da FTC disponível em (http://www.ftc.gov /speeches/other / dvimfló.shtm) é rico em informações sobre o golpe e alerta a comunidade internacional sobre a proliferação desse tipo de trapaça na internet. Segundo o documento, todos os esquemas de pirâmide compartilham uma mesma característica. "Prometem aos consumidores ou investidores ganhos vultosos baseados primariamente no recrutamento de outros para se juntar ao programa e não baseado em ganhos vindos de um investimento real ou por meio de vendas de mercadorias ao público. Alguns esquemas podem propor a venda de produtos, mas frequentemente usam esses produtos para esconder a estrutura de pirâmide."

De acordo com o relatório da FTC, esquema de Ponzi é intimamente relacionado às pirâmides, pois se baseia no recrutamento contínuo. "Mas o esquema de Ponzi geralmente não tem um produto para vender e não paga comissão. Ao invés disso, o divulgador coleta pagamentos de uma corrente de pessoas prometendo pagar altas taxas de retorno num curto período." Em inglês, existe uma expressão que resume o golpe: "roubar de Pedro para pagar a Paulo )conhecido pelos policiais federais americanos como esquema Peter-Paul)".

Esquema ressurge em ciclos
A Comissão Federal do Comércio dos EUA produziu seu primeiro acordo contra o esquema de pirâmide nos anos 1970, durante o boom de comércio porta a porta e marketing multinível. A novidade tomou conta do mercado por meio de vendas diretas de itens cosméticos e produtos para casa, que tem a marca Tupperware como ícone.

O crescimento desse comércio legítimo, no entanto, terminou por estimular práticas enganosas, que passaram a utilizar produtos para mascarar o esquema piramidal. O caso mais vultoso foi o da empresa Koskot, que estimulava pessoas a se tornarem "assessores de beleza" para vender cosméticos. Mas seu interesse não era vender. 


A companhia estimulava seus assessores a pagar US$ 2 mil para se tornarem "supervisores" e pagava bônus para quem recrutasse outros para novos investimentos. A agência considerou o esquema ilegal.


Uma decisão que marcou o ponto de inflexão do marketing multinível envolveu a Amway, empresa que fez sucesso no Brasil na década de 1990.

A agência definiu o sistema da empresa como legítimo, pois a Amway produzia e vendia produtos de limpeza e para casa Nesse sistema, cada distribuidor compra os produtos de uma outra pessoa recrutada ou patrocinada por ele, sendo que os distribuidores de cima compram os produtos diretamente da Amway.

Dessa forma, esse distribuidor ganhava no varejo, embolsando a diferença do preço de atacado, além de receber um bônus mensal baseado no total de produtos revendidos, tanto para consumidores finais quanto para novos distribuidores. "A comissão entendeu que, embora a Amway tenha usado alegações enganosas quando recrutava novos distribuidores, o plano de vendas da companhia não era um esquema de pirâmide (...) pois não promovia uma caçada de novos divulgadores, nem exigia grandes taxas de investimentos de novos recrutas, tampouco exigia que os distribuidores comprassem grandes volumes de bens não retornáveis. Apenas exigia que seus distribuidores comprassem kits de venda relativamente baratos."

Além disso, a Amway tinha três políticas para incentivar as vendas. Primeiro, a companhia exigia a recompra dos produtos não utilizados. Depois, mandava que cada distribuidor vendesse no atacado ou varejo pelo menos 70% de sua lista de compra mensal, política que ficou conhecida como a regra dos 70%. Para completar, ainda determinava que cada distribuidor patrocinado fizesse por mês, pelo menos, uma venda no varejo a cada 10 clientes, prática que ficou conhecida como a regra do cliente 10.

Assim como a atividade econômica, os golpes contra a economia popular ressurgem em ciclos e de forma refinada Os EUA voltaram a ser assolados pelas pirâmides na década de 1990, no contexto de uma nova geração de pessoas que não testemunharam os problemas da década de 70. Empresas passaram a alegar que adotavam a "regra dos 70%" e a do "cliente 10".

A comissão americana notou, no entanto, que as duas regras não faziam sentido no caso de comissões pagas aos distribuidores em vendas realizadas apenas por atacado (que são feitas para novos recrutas) sem realizar vendas ao cliente final.

O departamento norte-americano ressalta que os esquemas piramidais encontram em economias emergentes, como é o caso do Brasil, um solo fértil para novos tipos de fraudes. " Na Albânia, por exemplo, investidor, perderam US$ 1 bilhão em vários esquemas de pirâmide, o que representava algo como 43% do Produto Interno Bruto daquele país na década de 1990."


Nenhum comentário:

Postar um comentário