DESIGN GRÁFICA

DESIGN GRÁFICA

sábado, 16 de agosto de 2014

GVT pode ter ações compradas pela VIVO

“É concentração de mercado”, diz Paulo Bernardo sobre compra da GVT pela Vivo

     
Após participar da abertura da Feira e Congresso da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), no Transamérica Expo Center, zona sul paulistana, o ministro Paulo Bernardo comentou, na tarde de terça-feira, a oferta de compra da GVT pelo Grupo Telefônica/Vivo. Para ele, a aquisição representa concentração de mercado.

gvt-estrutura
GVT pode ter ações compradas pela Vivo 
“São duas empresas grandes, e se esse negócio se concretizar, o [grupo] Telefônica/Vivo vai ficar muito forte. É claro que é concentração de mercado, e isso terá que ser avaliado pelo Cade [Conselho de Administração e Desenvolvimento Econômico]. Algumas questões regulatórias também têm que passar pela Anatel”, falou o titular da pasta das Comunicações desde janeiro de 2011.
Para o ministro, a oferta de compra poderia ser negativa também para os clientes. “Para o consumidor é sempre bom ter muitas empresas e ter concorrência entre elas para que ele tenha mais opções”, salientou Bernardo. Atualmente, GVT e Vivo são concorrentes na oferta de pacotes de TV por assinatura e planos de internet banda larga.
Espaço para a tecnologia 4G
Paulo Bernardo disse, durante painel do Congresso ABTA, que o leilão da faixa de 700 mega-hertz, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), para o serviço móvel 4G, deve ocorrer até o final de setembro, ainda antes das eleições. O Tribunal de Contas da União (TCU) suspendeu no domingo, 4, a publicação do edital do leilão e pediu novos esclarecimentos à Anatel sobre a licitação da faixa, que será usada para ampliar a tecnologia no país.
Segundo o ministro, a solicitação de esclarecimentos, feita pelo TCU, poderá ser respondida pela agência rapidamente, em até uma semana. “A Anatel recebeu uma série de questionamentos, e vamos prestar todas as informações. Conversei com o João Rezende [presidente da Anatel] e ele me disse que foi dado prazo de 15 dias, mas ele me disse que não precisa de 15 dias, e vai fazer isso bem antes”.
O edital propõe o leilão de seis lotes de áreas de frequência 4G, três com cobertura nacional. O preço mínimo das outorgas de cada lote só será conhecido, no entanto, quando o documento for publicado.
*Edição: Stênio Ribeiro. Com alterações da equipe do Portal Comunique-se.

Nenhum comentário:

Postar um comentário